Escritores, editores e livreiros se unem em campanhas em defesa do livro.

 

zh

 

Com o mercado editorial ameaçado pela crise econômica, profissionais têm o objetivo de convencer o brasileiro a dar livros de presente neste Natal.

 

“Presentear com livros hoje representa não só a valorização de um instrumento fundamental da sociedade para lutar por um mundo mais justo como a sobrevivência de um pequeno editor ou o emprego de um bom funcionário em uma editora de porte maior; representa uma grande ajuda à continuidade de muitas livrarias e um pequeno ato de amor a quem tanto nos deu, desde cedo: o livro.”

 

Essas palavras de Luiz Schwarcz, presidente da Companhia das Letras, encerram sua Carta de Amor aos Livros, publicada no blog da empresa. Ele relata as dificuldades do mercado editoral neste momento de crise, em que as duas maiores redes de livrarias do país – Saraiva e Cultura – solicitaram recuperação judicial.

folhalondrina

Diante desse impasse, editoras, livrarias, profissionais do setor e escritores se mobilizam em campanhas com o objetivo de convencer o brasileiro a dar livros de presente neste Natal.

 

“A venda cresceu em 2018, mas o prejuízo em anos anteriores deixou algumas livrarias endividadas. O panorama prejudica as editoras, principais credoras das grandes lojas, que deixam de receber boa parte de seu faturamento”, explica Marcus Teles, presidente da rede mineira Leitura. A empresa apoia a campanha #VemPraLivraria, que mobiliza lojas e a Associação Nacional de Livrarias (ANL). Nas unidades da Leitura dos shoppings Cidade e Boulevard, o cliente é convidado a declarar seu amor pelos livros em um painel de post-its. No Facebook, é possível aplicar a hashtag na foto de perfil.

giacomodegani

Por sua vez, a campanha #LivroDePresente ganhou o apoio de vários escritores. Já a #LivroÉNaLivraria quer atrair leitores para as lojas físicas, diante da concorrência on-line. “Ir à livraria é um ato de lazer, um momento prazeroso para o público infantil. Com frequência, vemos crianças puxando os pais para dentro das lojas”, diz Marcus Teles, da rede Leitura.

 

A criançada, aliás, foi importante para o faturamento em 2018. “Nas últimas duas décadas, com a ‘geração Harry Potter’, houve crescimento contínuo na formação de leitores. Antes, crianças e adolescentes liam apenas obrigados pela escola. Hoje, seguem indicações recebidas pela internet”, analisa Teles. Na seara infantojuvenil, ele destaca dois fenômenos: a série norte-americana Diário de um banana, de Jeff Kinney, e As aventuras na Netoland, do youtuber brasileiro Luccas Neto.

 

“A área que mais cresceu foi a de não ficção, enquanto os anos anteriores eram puxados pela literatura estrangeira”, observa o dono da Leitura. Poesia que transforma, de Bráulio Bessa – conhecido por suas participações no Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo – , é sucesso de vendas, observa. Publicações de autoajuda, negócios, história e biografias também tiveram destaque nos últimos meses.

 

O período eleitoral impulsionou a venda de títulos. Há procura de livros de Olavo de Carvalho, apoiador do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), autor de O imbecil coletivo (1996) e O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota (2013). Filósofos também figuram entre os mais lidos do ano – Mário Sérgio Cortella, Leandro Karnal e Luiz Felipe Pondé, entre eles. “Esses autores conseguiram expor seu pensamento com uma linguagem fácil. Foi uma surpresa que a filosofia tenha se tornado best-seller este ano”, comenta Teles.

 

DELICADO 

 

“É um momento delicado, de crise das duas maiores redes de livrarias, que representam um percentual expressivo de nossas vendas”, afirma Judith de Almeida, gerente de varejo do grupo editorial Autêntica, criado em BH. A companhia busca oferecer vantagens às lojas revendedoras, realocando parte do que era fornecido à Cultura e à Saraiva.

 

De acordo com Judith, a crise atinge determinadas empresas, mas não se configura como problema relativo à venda de livros. Do catálogo da Autêntica, ela destaca dois lançamentos que podem agradar no Natal: Um banquete para Hitler, de V. S. Alexander, e o primeiro volume da série Ousadas, que reúne perfis de mulheres revolucionárias quando ainda não se falava de feminismo.

Continua depois da publicidade

 

DISPARIDADES 

 

Pequenas livrarias foram afetadas pelos problemas das gigantes do mercado. “Grandes editoras já anunciaram que vão segurar livros com vendas mais demoradas, que não são best-sellers. Essas publicações são justamente o nosso foco”, diz Alencar Perdigão, dono da Livraria Quixote, instalada na Savassi. “É hora de as editoras enxergarem que precisam das livrarias menores, de rua. Elas não podem dar atenção apenas às grandes redes”, defende.

 

Alencar critica a “concorrência desleal” das editoras na internet, oferecendo títulos com descontos de até 40%. “É preciso respeitar a cadeia do livro, que passa por autor, editora, distribuidora e livraria até chegar ao leitor. Ao oferecer descontos em seus sites, as editoras matam esse sistema”, reclama.

 

A Quixote investe em suas próprias publicações. Em 2018, as principais apostas foram bem-sucedidas. As horas esquecidas, do jornalista mineiro Chico Mendonça, concorreu ao Jabuti. O romance Tudo é rio, de Carla Madeira, foi bem recebido, lembra Alencar.

 

Maíra Nassif, proprietária da editora mineira Relicário, ressalta a importância do livreiro, profissional negligenciado por grandes redes. “Talvez este seja o momento para uma reflexão necessária. O leitor mais exigente sempre procura por uma livraria que lhe dê maior suporte e não priorize outros produtos em detrimento do livro”, diz Maíra.

 

A dona da Relicário recomenda livros de poesia para este Natal. “É um gênero que tira a linguagem de sua função utilitária e meramente comunicativa e revela o caráter criativo. São leituras que fruem bem e nos fazem desacelerar”, defende.

 

Contos a R$ 1,99

 

De olho nos leitores acostumados ao mundo digital, a Amazon se associou às três agentes literárias mais importantes do país para criar uma coleção de contos, que serão vendidos a R$ 1,99. Lúcia Riff, Luciana Villas Boas e Mariana Teixeira Soares trabalharam como curadoras na escolha dos 30 convidados para o projeto. Os contos podem ser adquiridos individualmente ou em forma de antologia com 10 autores, a R$ 9,99.

Todos foram publicados por meio do Kindle Direct Publishing (KDP), a plataforma de autopublicação da Amazon, sob o selo da Coleção Identidade . Entre os autores, há jovens talentos – Luiza Mussnich e Giovana Madalosso – e autoras premiadas, como Vanessa Bárbara e Miriam Leitão, vencedoras do Prêmio Jabuti.

 

Anúncios

Meus tempos de editor na FCMC

dicionario-historico-e-geografico-do-estado-do-piaui-d_nq_np_621236-mlb27442165537_052018-f

Meus tempos de editor na FCMC

Elmar Carvalho

Esta madrugada, sonhei com a minha gestão à frente da presidência do Conselho Editorial da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, quando fui o coordenador de Editoração dessa entidade. Aproveitei para dar uma olhada em algumas das obras de que fui editor. Fui indicado pelo poeta e escritor Francisco Miguel de Moura à dona Eugênia Ferraz, que era a presidente da FCMC, acredito que por causa de minha atuação como presidente da União Brasileira de Escritores do Piau´- UBE-PI.

Para escrever esta nota, não fui atrás de datas na Fundação, de modo que não serei preciso quanto a isso. Assumi as funções editoriais no ano de 1994, quando o prefeito era o professor Wall Ferraz, e as deixei no final de 1997, quando tomei posse de minhas funções magistraturais perante o Tribunal de Justiça do Piauí. Com a morte de Wall Ferraz, assumiu o cargo de prefeito Francisco Gerardo, que foi sucedido por Firmino Filho.

No primeiro mandato deste, presidiu a FCMC a professora Cecília Mendes, a cuja administração servi durante quase um ano. Tive a sorte de exercer minhas funções durante um período em que a editoração foi prioridade no órgão municipal de cultura. Para administrar com impessoalidade, logo que assumi a presidência do Conselho elaborei os regulamentos de editoração e do Conselho Editorial, que foram aprovados por este e pela presidente da Fundação, que assinou as portarias respectivas, e também passei a fazer a distribuição de obras para análise dos conselheiros através de rodízio, fazendo constar em ata tanto a distribuição como a aprovação ou rejeição.

Foi, na época a que me refiro, sem a menor sombra de dúvida, o mais importante e arrojado plano editorial do Estado do Piauí, bastando que se diga que a cada quatro meses, regularmente, eram publicados a revista Cadernos de Teresina e mais quatro a seis livros. Por isso, posso afirmar que durante o meu período foram publicadas aproximadamente 60 (sessenta) obras.

Foram gestoras da FCMC, como já disse, as senhoras Eugênia Ferraz e Cecília Mendes, das quais tive total apoio, sem nenhuma interferência autoritária no Conselho, uma vez que ambas acatavam as decisões do colegiado. Devo acrescentar que a FCMC tinha uma equipe “enxuta”, mas dedicada, motivada, e que realmente vestia a camisa da cultura. Tive um bom relacionamento com todos, e de todos guardo boas lembranças.

Fora as cerca de quinze revistas Cadernos de Teresina, editadas no período em debate, foram publicados, aproximadamente, 45 livros, todos aprovados pelo Conselho, e muitos deles da mais alta significação para a cultura e a literatura do Piauí. De cabeça, sem consulta a anotações ou registros burocráticos, cito alguns, como uma pálida demonstração do que afirmo:

51iygox3v9l-_sx340_bo1204203200_

Dicionário Histórico e Geográfico do Estado do Piauí, de Cláudio Bastos, Os Literatos e a República: Clodoaldo Freitas, Higino Cunha e as Tiranias do Tempo, de Teresinha Queiroz, Literatura Piauiense – escorço histórico, de João Pinheiro, com posfácio de atualização de Francisco Miguel de Moura, A Harpa do Caçador, de Teodoro Castelo Branco, Crônicas de Sempre, org. de Adrião Neto, A Poesia Piauiense no Século XX, em parceria com a Imago, org. de Assis Brasil, várias obras de Mons. Chaves, Escravos do Sertão, de Miridan Brito Knox Falci, O Ofício da Palavra, de Elizabeth Oliveira, Mulheres Plurais, de Pedro Vilarinho Castelo Branco, Balaios e Bem-te-vis – a guerrilha sertaneja, de Claudete Maria Miranda Dias, Anos 70: Por que essa Lâmina nas Palavras?, de José Pereira Bezerra etc. Na revista, foram publicadas memoráveis entrevistas, como as em que foram entrevistados Mons. Chaves, Alcenor Candeira Filho, Cineas Santos, Assis Brasil, Celso Barros Coelho, Raimundo Nonato Monteiro de Santana e Pe. Raimundo José Airemoraes, cujos entrevistadores éramos eu e o jornalista Domingos Bezerra Filho, além de textos de contistas, cronistas, poetas e historiadores.

Além disso, foram editadas obras vencedoras de concursos literários, inclusive volume de textos de literatura de cordel. Com o impacto da morte de Wall Ferraz, que comoveu a população teresinense, idealizei o livro Wall Ferraz – o homem e o estadista (coletânea de crônicas e artigos), que também foi editado. Após esse infausto acontecimento, o Dicionário Histórico e Geográfico do Piauí, que havia sido acolhido com entusiasmo pelo falecido prefeito, recebeu o Prêmio Clio, concedido pela Academia Paulistana de História, que fui receber na Paulicéia, por designação de dona Eugênia Ferraz.

Na minha gestão, foram conselheiros Francisco Hardi Filho, João Bosco da Silva, José Airton Ferreira de Sousa, Marcelino Leal Barroso de Carvalho, Silvana Maria Santana de Oliveira, Rubervam Maciel do Nascimento e Francisco Miguel de Moura. Sugeri muitas capas ao artista plástico Radamés, enquanto outras foram concepções de Áureo Tupinambá Júnior e Gabriel Arcanjo, além de outros artistas.

Nas solenidades de lançamento da revista e dos livros, usávamos da palavra o prefeito, um representante dos autores e eu, representando a FCMC, em que comentava e analisava as obras. Aproveitando o apoio da administração superior da Fundação, envidei todos os meus esforços para que o plano editorial fosse bem-sucedido, e, sem cabotinismo, devo admitir que assim foi.

26 de fevereiro de 2010

Imortais da Academia Piauiense de Letras escolhem sábado três novos membros.

academa

 

A Academia Piauiense de Letras reúne seus imortais neste sábado (1º) para eleger os três novos ocupantes das cadeiras 18, 24 e 32, que ficaram em aberto após o falecimento de Paulo de Tarso Mello e Freitas, Herculano Moraes da Silva Filho e Raimundo Nonato Monteiro de Santana.

Ao todo, 13 escritores fizeram a inscrição para concorrer no pleito. “Nos últimos meses, a Academia sofreu com as perdas do desembargador Paulo Freitas, do nosso querido Herculano Moraes e do estimado professor Raimundo Santana. Então, resolvemos unificar as eleições, promovendo todas em uma mesma data”, explica o presidente da instituição Nelson Nery Costa.

Os eleitos ocuparão as cadeiras 18, 24 e 32 que pertenciam a Paulo de Tarso Mello e Freitas, Herculano Moraes da Silva Filho e Raimundo Nonato Monteiro de Santana. Cada um dos candidatos, no ato da inscrição, teve a oportunidade de escolher para qual cadeira concorrerá. Entre os pré-requisitos para a participação, segundo o regimento da APL, estão: ser piauiense ou morar no Estado há mais de 10 anos e ter ao menos um livro publicado.

Os 37 imortais estão aptos a votar. Cada um deve escolher três nomes, um para cada cadeira. Pelo regimento, a votação poderá ser feita presencialmente (para aqueles que residem no Piauí) ou o voto pode ser enviado em envelope lacrado pelos Correios (para os imortais que moram em outros estados).

A comissão eleitoral é presidida pelo professor Fonseca Neto, tendo como membros Magno  Pires, Reginaldo Miranda, Elmar Carvalho e Dilson Lages. É essa comissão que comandará todo o processo. Os votos, tanto os presenciais como os enviados, serão depositados numa urna. Ao final do horário estabelecido, a comissão abrirá a urna e fará a contagem dos votos referentes a cada uma das cadeiras. O resultado é proclamado ao final da apuração.

 

Renascer do dia de sempre.

rena

* Ivaldo Freitas Cardozo. 

Te lembra da juventude? Aquilo foi só mais um dia.
De tantos meus, embaraços, alforrias
Carregando momentos, cheios de olhares tortos
Como se a Primavera durasse a eternidade, ou um enlace de amor
Até o acinzentado é composição predominante desta aquarela
E a vejo e dou risada, mesmo carregando tanta idade e saudade.

Ai que saudade do contentamento, que já não devo a ninguém exceto a mim
Ah o dia, tão vanglorio é o dia de sempre, esse renascer contente
Esse riso infundado a cada salário, ainda que não pago
A cada beijo em lábios calados, com corações tão cheios
Embalo meu passo nas ruas dessa cidade, estendo as mãos agradecendo as manhãs
Por sempre me acordarem com um grito de silêncio.

Um abraço apertado à monotonia una de existir!

Um bom riso complacente às mágoas que me trouxe o dia de sempre

Aqui canto meu renascer com uma bela canção
De um exílio infundado, cravado na minha mente e coração
Uma canção aos desamores, a tantos gostos vivenciados e desentendidos
A felicidade que me abraça pelas costas em vez de me olhar nos olhos.

Dias inteiros param e acabam num infame adeus
Se apercebem dos tons da tarde, da manhã, da noite.
Dos conflitos velados, sorrisos calados
E as frases jamais ditas, poemas nunca recitados
Momentos que nos fazem, mas não os quisemos
Talvez pela ansiedade de ter sempre mais
Mais? Mais o que?
Nada. Simplesmente nada.

*Ivaldo Freitas Cardozo é estudante de Eletrotécnica do Instituto Federal do Piauí, campus Parnaíba. Poeta, 16 anos de idade e tem trabalho na edição 71 do Almanaque da Parnaíba. 

 

Joaquim Falcão toma posse na Academia Brasileira de Letras.

 

scooopnest

O jurista, educador e intelectual Joaquim Falcão tomou posse na noite de ontem (23) na cadeira 3 da Academia Brasileira de Letras (ABL), em solenidade no Salão Nobre do Petit Trianon. O novo acadêmico foi eleito no dia 19 de abril deste ano, na vaga do escritor e jornalista Carlos Heitor Cony, morto no dia 5 de janeiro.

No discurso de posse, Falcão propôs que a ABL seja considerada um patrimônio cultural e o Estado Democrático de Direito, um patrimônio político. “Cultura é a capacidade de cada um escolher seu melhor futuro. Matéria-prima da democracia, tão importante quanto segurança, emprego, saúde, educação e justiça. Nenhuma economia funciona sem eficiente infraestrutura: rodovias, saneamento, transportes, energia e tanto mais. Assim, também, a democracia. Não funciona sem adequada infraestrutura para a livre circulação de direitos e deveres culturais. Direito é energia. Move igualdades e liberdades. Não pode faltar”, avaliou.

Em outro trecho do discurso, destacou o direito de ler, de leitura e a literatura. Por todos os meios: livro, jornal, laptop, celular, internet, rádio, TV, exposições de arte. “Ler vendo, ler lendo, ler ouvindo, ler acessando. Sou dos que acreditam que mesmo em era visual, nunca se leu tanto no mundo. Apenas, lê-se diferentemente. Sejam grandes romances, instalações, Twitter, Facebook ou WhatsApp”.

Falcão disse que o país venceu o analfabetismo que impedia tecnicamente a leitura. “Não devemos nos entregar à outra escuridão. Aquela onde alguém escolhe por nós o que nós mesmos podemos escolher”.

Jurista, educador, intelectual público, Joaquim Falcão é o sexto ocupante da cadeira 3 da ABL. Ele tem 74 anos, nasceu no bairro de Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro, mas mantém origem e vínculos com Olinda, Pernambuco. Bacharel em Direito pela Universidade Católica do Rio de Janeiro, é mestre em Direito na Harvard Law School, mestre em Planejamento de Educação e doutor pela Universidade de Genebra. Foi Diretor, na década de 70, da Faculdade de Direito da PUC-Rio. Professor Associado da Universidade Federal de Pernambuco e Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Fundador e professor titular da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro.

Trabalhou diretamente com a família Marinho e foi convidado a dirigir a Fundação Roberto Marinho, na década de 90. Na época, criou o Telecurso 2000, que chegou a ter mais de 2 milhões de alunos. Criou, também, o pioneiro Globo Ecologia e o Canal Futura.

Na área jurídica, especializou-se no Supremo Tribunal Federal e publicou o livro O Supremo, em 2015. Organizou com colegas os livros Onze Supremos, publicado pela Editora Letramento – Belo Horizonte, em 2017; Impeachment de Dilma Rousseff: entre o Congresso e o Supremo, em 2017, editora Letramento – Belo Horizonte; e em breve sairá o novo livro O Supremo Criminal.Com informações da ABL. Fonte: Agência Brasil. Fotos: Edição: APM Notícias.

Academia de Letras e Artes de São Bernardo, no Maranhão, é instalada.

 

bela2

 

A Academia Bernardense de Letras e Artes, ABELA, foi instalada na noite desse sábado (17) em solenidade no campus da Universidade Federal do Maranhão em São Bernardo, região do Baixo Parnaíba. Escritores, jornalistas, políticos, familiares e o presidente da Federação das Academias de Letras do Maranhão, João Francisco Batalha.

bela3

No seu discurso, Batalha enalteceu a figura de Bernardo Coelho de Almeida, patrono e inspirador da entidade e considerado como um dos grandes homens que nasceram naquela cidade maranhense. Tomou posse como presidente o médico, poeta, cronista, contista e romancista Antonio de Pádua Silva Santos e mais dezenove membros, escolhidos entre artistas plásticos, compositores e cantores e escritores.

bela4

Uma representação da Academia Parnaibana de Letras composta pelo presidente José Luiz de Carvalho, o secretário geral Antonio Gallas e o bibliotecário Antonio de Pádua Marques Silva esteve no evento. O presidente da academia parnaibana disse na ocasião que a criação de mais uma academia de letras e artes na região do Baixo Parnaíba significa uma democratização da cultura.

bela6

A Academia Parnaibana de Letras fez a entrega de exemplares do Almanaque da Parnaíba para o acervo da Academia Bernardense de Artes e Letras manifestando a intenção de que as duas entidades criem parcerias importantes e duradouras. O escritor e secretário geral Antonio Gallas também fez entrega de exemplares de livros de sua autoria. Fotos: APM Notícias.

 

 

Expedição a Batalha

viagem2b252822529

Expedição a Batalha

Elmar Carvalho

Na sexta-feira, na caminhada da Raul Lopes, o magistrado inativo Raimundo de Sousa Lima anunciou que no sábado iria a Batalha, sua terra natal, embora desde os dez anos tenha passado a morar na cidade de Piracuruca, com a finalidade de rever o seu pago natal, onde morara em sua infância e meninice. Perguntei-lhe a que horas sairia, tendo ele me respondido que às quatro. Perguntou-me se eu desejava ir. Incontinenti, sem vacilações, disse que sim. Às quatro horas, na forma combinada, ele me pegou no condomínio onde moro, e seguimos viagem, em companhia do médico Andrey Lima, seu filho, que já conheço de outras viagens e conversas.

Antes das oito horas, entramos na cidade de Batalha, onde já nos esperava o Luís Basílio, que nos guiaria. O início do local de nosso destino fica a uns doze quilômetros da zona urbana, nas proximidades da estrada para Piracuruca. Em certo ponto deixamos a estrada asfaltada, e pegamos uma vicinal bem rústica, que apenas em alguns trechos parecia ter sido beneficiada com a colocação de tênue camada de piçarra, mas que, apesar disso, não tinha as armadilhas de atoleiros, ao menos nesta época de seca acentuada.

Até chegarmos ao ponto final de nosso trajeto, passamos por diferentes paisagens ou mesmo pequenos e diversificados ecossistemas, se assim me posso exprimir. O Luís, espontaneamente ou indagado por nós, ia indicando essas diferenças, com as classificações e denominações regionais. Algumas eu identifiquei, sem a sua ajuda de expert, pela minha vivência ou pelo meu escasso conhecimento livresco. O certo é que num percurso de poucos quilômetros, vimos cerrado ou chapada, caatinga ou sertão, este em tudo semelhante ao que é visto nas fotografias do cangaceiro Lampião.

Em determinado ponto, passamos por uma floresta de árvores de grande porte e de vegetação mais fechada. Perto desta, havia uma outra, em que as árvores eram ainda de mais avantajada dimensão e de folhagens mais densas, de modo que, na minha ótica de leigo, me pareceu resquício ou vestígio de uma possível Mata Atlântica, se é que não estou sendo exagerado ou muito imaginativo em minha suposição.

Vimos paisagens planas, povoadas de inúmeras carnaubeiras, quase um perfeito tabuleiro, em que se viam até as corcovas de cupins, como nos descampados de Campo Maior, mas também encontramos morros e serrotes, com vales e abismos, e os socavões de suas encostas. Apontando para um desses brocotós, que muitos diriam cafundó ou sertões dos confins, o Luís disse que nele ainda existiam animais ariscos, como onças, caititus, mocós e cutias.

Adiante, numa de nossas paradas, soubemos que uma dessas onças, parece que uma suçuarana, andava devorando alguns bodes de fazendas da vizinhança. O morador nos explicou que a fera retirava o couro, para, creio, melhor comer a carne. Em face dessa notícia, o Luís Basílio e o Raimundo Lima recordaram que um velho morador da região, conhecido como Manteiga, deficiente de um dos braços, enfrentou um desses jaguares, sem uso de arma de fogo, e conseguiu vencê-lo.

Manteiga fora a uma caçada com seu cachorro, muito eficiente em seu mister. Perto da encruzilhada, o cão começou a acuar algum animal, perto de uma arredondada moita de cocotinha. O caçador foi verificar o que acontecia, quando, de súbito, uma onça, com a velocidade de um raio, deu um salto para atingi-lo. Manteiga tentou esquivar-se, e conseguiu furar o bicho com uma faca do tipo peixeira. Embora ferida, a onça, em seu bote feroz, conseguiu dar-lhe um forte golpe, que lhe fez soltar a faca. Veio para cima do caçador, que fora cair a uma certa distância.

O cão, que era valente e veloz, partiu em defesa de seu dono, e conseguiu morder a garganta do feroz adversário, que veio a morrer, o que comprova a lealdade e brio desse cachorro, cujo nome era Leão. Com efeito, esse mastim, de cor vermelha, muito grande e forte, fazia jus a seu aristocrático nome, posto que era um verdadeiro leão. E Manteiga provou que também era muito destemido, robusto e lutador, e, portanto, não era nenhuma “manteiga derretida”.

O caçador foi buscar um burro para levar a fera morta, como um troféu e para lhe tirar o couro, que tinha muito valor comercial. Cobriu o rosto do muar com um saco de estopa, pois é fato sabido que essa alimária tem muito medo de onça. Contudo, mais adiante, Manteiga resolveu retirar a “careta” do burro. Este, então, olhando para os lados viu a carcaça da onça, assombrou-se e disparou mato adentro, em “desabalada, alada carreira quase voo”, derrubando a carga que conduzia. Só reapareceu, ainda desconfiado, sete dias depois. Embora esse relato pareça estória de caçador, Luís Basílio, como no poema de Gonçalves Dias, garante ser a pura expressão da verdade: “Meninos, eu vi!”.

No percurso dessa viagem saudosista, que por isso mesmo era também uma viagem no tempo, visitamos o chamado olho-d’água de fora. Ora, presumi, se havia o olho-d’água de fora, me era lícito supor que haveria o de dentro; mas não havia, pelo menos não com esse nome. Mas existia um outro, com outro nome, sobre o qual mais adiante falarei.

O Raimundo nos contou que em sua meninice, não sei se também de peraltice, passava perto do dito olho-d’água de fora, em demanda de uma escola, cuja lembrança, com as devidas elaborações imaginativas e fictícias, aproveitou na fábula do Zé Trunfinha, contida no seu livro A menina do Bico de Ouro; a menina do bico de ouro, de nome Beatrice, dita Titice, por sua vez foi inspirada numa neta do Raimundo, filha do doutor Andrey, de inteligência tão admirável quanto precoce.

Olhamos os seus dois principais minadouros ou vertentes, no entorno dos quais se estende uma várzea, com imponentes e belos buritizeiros e graciosas e elegantes plantas aquáticas, muitas das quais trepadeiras, que se encarapitaram nos grossos troncos dessa palmeira. Vimos alguns cachos de buritis. Esse fruto, com as escamas de sua casca cor de bronze, um bronze avermelhado, parece uma escultura minimalista de um esmerado renascentista; de sua popa são produzidos um doce e um suco deliciosos.

Nesse brejo paradisíaco e quase intocado, esquecido nos confins desse quase ermo, em que se ouvem apenas as notas musicais de cigarras e aves canoras, estavam um jumento e uma mulher a recolher água, que só não me fizeram recordar a passagem bíblica da samaritana, com o seu cântaro, à beira de um poço, porque as vasilhas onde a rurícola colocava a água eram de plástico.

Havia um leito de areia, por onde nas grandes chuvas se forma um riacho. Agora, era apenas um rio seco, um rio de areia, um rio exaurido. O Luís nos relatou que outrora os olhos-d’água eram mais potentes, vertiam mais água. Todavia, agora, eram apenas aquele fiapo de líquido, que mal escorria. Talvez vários fatores tenham concorrido para esse esgotamento: seca prolongada, assoreamento dos minadouros, desmatamentos no entorno, perfuração de poços tubulares…

viagem2b252852529

Dando continuidade ao roteiro de nosso périplo saudosista, sentimental e turístico, fomos à morada do senhor Domingos Antônio da Silva, cujo apelido carinhoso e familiar é Jogó, que precisei anotar, porque às vezes o pronunciava como Bogó, outras, como Bobó; mas bogó é uma vasilha de couro e bobó, um tipo de alimento. E seu Domingos, o nosso Bogó, é um bom velhinho, que encontramos no quintal da casa, quentando sol perto de uma espécie de cabana. No e-mail, em que me foram enviadas as fotografias que documentam o nosso passeio, dele disse o Andrey, que se consagrou como habilidoso fotógrafo de nossa expedição:

“Pudemos ali, como numa viagem ao tempo, ver homens e mulheres vivendo exatamente da mesma maneira como os seus ancestrais, como o Sr. Jogó, viúvo, com 86 anos e um casal de filhos, que se recusaram a deixá-lo para procurarem vida mais amena, longe daquela terra seca pelo sol quente, que para ali persistirem precisaram superar os desafios diários do sertão! Brava gente!”

Noutro trecho do e-mail, disse Andrey sobre seu pai, que em sua meninice percorreu essa paragem bucólica, ainda hoje imersa em solidão e abandono: “Tal cenário de uma vida simples de criança, mas pura, serviram de alicerce para o desenvolvimento da sanidade mental e capacidade de sonhar dessa figura humana única – Raimundo de Sousa Lima”.

Perto de onde a estrada se trifurcava, o Luís nos contou que, muitos anos atrás, próximo a esse local, ele e um companheiro viram, quando o sol já descambava no horizonte, ao longe, o vulto duma pessoa. Quando chegaram ao ponto em que deveriam encontrar esse caminheiro solitário, não mais o viram. Olharam para todos os lados, mas não o localizaram.

Embora procurassem, sequer viram as suas pegadas. De repente, ouviram um pavoroso assobio, muito forte, fino, sibilante e estridente, que jamais pareceria emitido por um ser humano. Contava-se que nesse local de medo e arrepios apareciam assombrações e almas penadas. Nessa encruzilhada, muitos viajantes incautos se confundiam, e escolhiam o caminho errado, um caminho de perdição e incertezas.

Nos arredores desse místico e mítico local, existiu, muitos anos atrás, um barbatão afamado, arisco, veloz e valente, que nenhum vaqueiro, por melhor que fosse, conseguia pegar. Muitos tinham a certeza de que ele fora enfeitiçado por algum mandingueiro da região. Os nativos não tinham dúvida em afirmar que ele era um touro encabojado, que tinha pacto com o capiroto.

Vi os escombros de uma casa de pedra, centenária. Alguns pedaços de parede da velha tapera ainda podiam ser vistos, mostrando as junções das pedras lavradas. Talvez tenha sido construída no tempo do cativeiro, o que mais concorreria para a formação de estórias fantásticas. Não sei se é considerada como mal-assombrada. Nos seus áureos tempos quiçá parecesse impregnada de eternidade, como a casa avoenga de Manuel Bandeira. Contudo, agora é apenas uma tapera, impregnada da fugacidade das coisas frágeis e perecíveis.

Fomos ao outro manancial, que alguns chamam de olho-d’água do Padre. Tendo ficado curioso sobre essa denominação, que é a mesma de uma fonte nas cercanias de Piracuruca, que outrora abastecia essa antiga e histórica urbe, e que ficava num imóvel que pertencera ao padre Máximo Martins Ferreira (mas que atualmente é propriedade de dona Francisca Vidal de Lima, mãe do nosso expedicionário Raimundo Lima), perguntei sobre quem seria esse vigário.

Me foi informado que o “padre” não era padre e sequer fora seminarista. Deram-lhe essa alcunha afetiva e familiar, porque esse homem era calmo, um tanto introspectivo e calado, meio sisudo, como se fora um carmelengo no momento da votação do conclave para a escolha de novo papa. Seu nome é Francisco Ribeiro de Melo, e ele é primo do bravo Raimundo, comandante de nossa aguerrida força expedicionária, e é o dono da Fazenda Expedição.

O manancial pertence a essa velha fazenda, ponto final de nossa incursão turística e saudosista. Era a fonte principal de um grande e verdejante brejo, cheio de enormes árvores frondosas, de exuberante buritizal, de imensas mangueiras, por entre as quais corria o córrego, por cima de pedras esverdeadas e musgosas, a formar pequenas poças ou piscinas. Da sombra refrescante dessas árvores, víamos a encosta ensolarada de um morro, ornada de grandes pedras, que o capricho da natureza ali colocou, para formar uma espécie de Éden, como se fora um paisagismo de Burle Marx.

Quando eu escalava essas pedras e nelas me equilibrava com invulgar talento, uma manga me atingiu o alto da cabeça. Senti o impacto e a dor, que não foi tanta assim e nem me provocou hematoma, graças ao fato de que não era grande, mas um tipo de manguita, que na localidade é conhecida como manga do olho-d’aguinha. Ao olhar para uma jaqueira que havia perto, me consolei, porque fora apenas uma fruta pequena que me acertara, e não uma enorme, caraquenta e pesada jaca, que bem me poderia ter levado a nocaute.

Garantiu-me o jovem Andrey, como se fora uma recompensa ou prêmio, que uma manga, assim como os raios, não cai mais de uma vez na mesma cabeça; e não poderia cair, porquanto já estava no chão. Mesmo assim, como ato de vingança, a comi. E devo dizer que foi a mais deliciosa manga que jamais degustei em toda a minha vida.

A seguir fizemos a viagem de regresso, sem outros incidentes dignos de nota, ao menos no entendimento deste escrivão da armada expedicionária ao pago natal de Raimundo de Sousa Lima, figura ímpar com bem asseverou seu filho.