Pádua Marques e seus contos para Simplício Dias

DIÁRIO

[Pádua Marques e seus contos para Simplício Dias]

Elmar Carvalho

04/11/2020

Recebi, poucos dias atrás, pela velha ECT, um exemplar, com amável dedicatória, do livro Vinte contos para Simplício Dias, com 112 páginas. Bem encadernado e impresso, teve a capa, a formatação e a programação visual elaboradas de forma impecável pelo jornalista, escritor e poeta Paulo Moura, paradigmático irmão maçônico, meu conterrâneo e velho conhecido.

Além do mais, a obra tem o luxuoso valor agregado de conter várias ilustrações  desse grande artista plástico, um dos maiores em seu gênero. Fiquei ainda honrado de estar incluído na lista impressa de agradecimentos, embora certo de não ter tido mérito para isso. Não tem prefácio, porém possui elucidativas “orelhas” e um esclarecedor e conciso texto na contracapa.

O autor, em seu sentimento de gratidão, esclarece que será eternamente agradecido a Batista Teles “por dar condições para que este trabalho fosse publicado”. João Batista Mendes Teles é meu conhecido há várias décadas, e fazia parte dos colaboradores do jornal Inovação.

Um dos pioneiros em pesquisas técnico-científicas de estatística, no final dos anos 1970, começo dos 80, preparou várias pesquisas para diagnóstico econômico-social de Parnaíba para esse periódico. Professor da UFPI por várias décadas. É o titular do mais importante Instituto privado de pesquisa estatística do estado, o Amostragem. Na medida do possível, tem incentivado a cultura e as artes do Piauí.   

Mário de Andrade de forma sintética e bem-humorada, com alguma dose, talvez, de ironia, disse que conto é tudo aquilo que chamamos de conto. Para mim, sem considerar a questão da qualidade e outros gêneros textuais limítrofes, sua frase de efeito é certeira e exata. Já tive oportunidade de dizer que, para mim, um conto que não conta, não conta,  porque nada vale como um conto.

Seria qualquer outro artefato literário, menos um conto. Seria uma crônica, um poema em prosa, um devaneio, mas não um conto. Entendo que esse gênero literário deve narrar, deve relatar, deve conter uma estória ou história. Nesse aspecto, os contos de Pádua Marques, não há negar, são realmente contos, uma vez que contam, que relatam um fato, um acontecimento, um episódio.

Contudo, por razões que abaixo alinhavo, não os considero propriamente contos históricos, no mesmo sentido que se dá ao chamado romance histórico. Classifico-os, em sua quase totalidade, como sendo contos de época. É que eles não se restringem a “ficcionar” sobre fatos da história de Parnaíba ou da biografia de Simplício Dias da Silva, como à primeira vista o leitor poderia achar, induzido pelo título do livro.

No meu entendimento, um conto histórico ou um romance histórico deverá ser permeado por fatos e episódios da história de uma localidade ou da biografia de uma figura histórica, evidentemente com “variações sobre o tema”, ou seja, com “licenças fictícias”, todavia verossímeis, compatíveis com desdobramentos que poderiam ter acontecido, ou que ensejem dúvidas sobre se aconteceram ou não, inclusive levando em conta o que o imaginário popular acaso tenha transformado em episódios lendários.

Vejamos o que diz a Wikipédia, em acesso do dia 03/11/20, sobre o gênero romance histórico, que mutatis mutandis pode se aplicar a conto histórico:

“O romance histórico é um gênero literário em prosa em que a narrativa ficcional se ambienta no passado. Geralmente, os romances históricos são marcados pela influência (em menor ou maior grau) de eventos e personagens históricos no desenrolar da trama. Ao longo da história, o gênero teve um papel importante em trazer para um público leitor conhecimentos históricos através das narrativas de ficção.”

Conquanto os contos sejam ambientados numa Parnaíba da época de Simplício Dias, os seus relatos, episódios e entrechos não se basearam, quase, em fatos narrados nos compêndios de História e em episódios da vida romanesca de Simplício e de outras figuras históricas. Aliás, a história e o tempo, às vezes, são até subvertidos pela ficção, como no conto A caveira de burro, em que “o velho Domingos Dias da Silva vivia batendo cabeça, tentando de tudo para aposentar-se pelo INSS”. Nesse mesmo texto, consta que “chamaram umas ciganas, que ficam ali perto da Banca do Louro”.

Portanto, Pádua Marques, em sua ilimitada liberdade de ficcionista, usando do que chamei de “licença fictícia”, provocou uma verdadeira distorção no tempo-espaço, porquanto na época de Domingos e Simplício Dias, como é sabido por todos e muito mais pelo próprio autor, consciente de sua arte e de sua liberdade de criar livremente, o INSS ainda não existia, e o Louro, embora seja um patrimônio histórico, devidamente tombado pelos seus amigos, ainda não havia nascido, claro está.

Essas elucubrações se destinam apenas ao leitor, porquanto Pádua Marques tem plena consciência de seu fazer literário e dos recursos de que poderia dispor, pois já é um contista de longa cabotagem e já traquejado na arte romanesca, tanto que o próprio título do livro já é uma pista do que acabei de explanar: Vinte contos para Simplício Dias. “Atentai” bem: contos para, e não de ou sobre Simplício Dias.

O autor usou a sua capacidade imaginativa e de criação e as colocou a serviço de sua ficção, que em três ou quatro contos tangenciou o conto histórico, e colocou os seus episódios e tramas no cenário de uma Parnaíba do início do século XIX, através de fatos compatíveis com o que bem poderia acontecer numa cidade dessa época, além de ter usado com habilidade e verossimilhança personalidades históricas, nos moldes feitos em um romance à clef.  

No mesmo diapasão, o texto da contracapa referenda ou chancela o que acabo de abordar, senão vejamos: “Neste livro a vida política de Simplício Dias da Silva é o menos importante. Não que ele não mereça. Merece e muito. Mas é que outros autores, historiadores de formação ou até mesmo leigos já o fizeram com grande alcance. Seria apenas mais um livro a tratar sobre a engenharia política e econômica dessa parte do Brasil, distante e muito da Corte.”

De fato, no vertente livro, a História de Parnaíba e a biografia de Simplício Dias não foram importantes, por mais notáveis que tenham sido (e foram). O que importa mesmo são as narrativas, frutos da imaginação de Pádua Marques, que são atraentes e bem delineadas, embora não relatem fatos rocambolescos e mirabolantes, nem tampouco escabrosos e escatológicos.

Um episódio, todavia, me chamou muito a atenção: foi o fato de o Simplício fictício ter uma preocupação imensa com o seu passado, a ponto de mandar matar uma testemunha, a meu ver analfabeta, por ser um escravo, e que sequer poderia ter tomado conhecimento do conteúdo dos documentos, que foram queimados e enterrados pelo escravo de sua confiança. Que tanto ele teria a temer? Ou apenas se tornou frágil e assombrado  por causa de doenças, da velhice e da proximidade da morte?

O ficcionista seguiu a tradição da contística. Seus textos respeitam o tempo da física, tal como o conhecemos em nossa vida prática e cotidiana. Não faz inversões temporais. Seguem o tempo cronológico, com início, meio e fim bem definidos. Não usa, em consequência, o chamado flashback, que pode dificultar a compreensão do leitor mediano.

Em momento algum, para dar voz a suas personagens, lançou mão do discurso direto. Pode-se dizer que usou sempre ou quase sempre o discurso indireto, com o narrador em terceira pessoa. Portanto, esquivou-se do discurso indireto livre, do fluxo de consciência, do monólogo interior, etc. A sua narrativa é feita por intermédio de um narrador onisciente (ou quase), que tudo enxerga, que tudo escuta, que tudo perscruta e desvenda. Não atribuo a isso defeitos ou virtudes; estou fazendo apenas uma simples constatação.

O que importa, também, é a linguagem e a forma dos contos, que foram elaborados em linguagem escorreita, clara, objetiva, concisa, em frases curtas, quase telegráficas, que me fazem lembrar Hemingway, em seus melhores momentos, sem firulas, adereços e excrescências, sem adiposidades e adjetivações desnecessárias.

É isso o que efetivamente importa. E Pádua Marques, nesse aspecto, se houve com maestria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s