A propósito ou despropósito de seios

DIÁRIO

[A propósito ou despropósito de seios]

Elmar Carvalho

24/09/2020

Na segunda-feira, num dos grupos de WhatsApp de que faço parte, um grande amigo do peito postou uma fotografia de um belo par de formosos, volumosos e harmoniosos peitos femininos, sob o argumento de que agora as coisas estavam voltando à normalidade, evidentemente em alusão a estes tempos de pandemia, que estariam, talvez, em sua ótica, começando a chegar ao fim.

Não consegui me conter, e postei o seguinte comentário: “Mas será se é mesmo o chamado normal normal, ou será se é um normal turbinado a silicone?” Eu me referia, em meu gracejo, aos esplêndidos e fartos seios. Contudo, por precaução e senso de justiça, acrescentei: “De uma forma ou de outra, são formosos.”

Um outro amigo, de olho na forma dos belos seios ou tendo em vista apenas o seu volume avantajado, observou, como se fora um experimentado perito em seu mister: “Exageraram na calibragem. A indicação era de 28 libras e colocaram 38 libras”. Ante sua cirúrgica ou milimétrica (ou mililítrica) precisão, me senti no dever de fazer o seguinte adendo: “Mesmo assim, em não tendo estourado a boca do balão, digo, seios, o resultado ficou esplêndido.”

Dei o caso por encerrado. Mas eis que senão quando outro amigo, com enfática e exclamativa admiração, cravou o seguinte e sapiente comentário: “No meu entendimento, são lindos. Deitar a  cabeça em cima de dois peitos desses é algo extraordinário! Inesquecível !!!” Diante de tanto entusiasmo, numa blague em que desejei parafrasear, com certa dose de ironia, o soneto famoso de Coelho Neto titulado Ser Mãe, respondi: “Aí já não seria deitar; seria levitar no paraíso.”

É que o seio, além de sua beleza plástica, sensual, além de representar a essência da feminilidade, pode também ser o símbolo máximo do que a mulher tem de mais sublime: a maternidade, que representa doçura, entrega, doação, cuidado, amor puro e sem jaça, sem egoísmo, sem exigência, o amor que é o dom supremo, tal como expresso por São Paulo, na epístola aos Coríntios I, cap. 13; vers. 1 a 13.

Assim, o seio da mulher pode ser o símbolo máximo da beleza e da graça feminina, e do amor mais puro e mais sublime que um ser amor humano poderia ter, o amor que é o dom supremo ou o que mais se aproxima do amor de que nos falou São Paulo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s