DESAPEGO…

MARIA DILMA PONTE DE BRITO
ACADEMIA PARNAIBANA DE LETRAS APAL CADEIRA 28
PATRONO LÍVIO LOPES CASTELO BRANCO
1 º OCUPANTE HUMBERTO TELES MACHADO DE SOUSA

Após contraírem matrimonio os jovens nubentes foram residir numa casinha nova com poucos móveis e sem nenhum treco. Uma casa enxuta, podemos assim dizer. Foi muito prazeroso plantar as sementes e ver as árvores crescerem. Foram quatorze anos, tempo para colher os frutos. O quintal que era beijado pelo sol agora estava sombreado pelas árvores frutíferas.

          Com o passar do tempo a casa ficou apertada e sem espaço. Cheia de móveis. Nas paredes quadros e fotos se espalhavam em toda sua extensão. E os pertences foram se aglomerando por quase uma década e meia. Cada objeto tinha sua história e o seu valor. Tentaram diminuir toda aquela parafernália várias vezes por ocasião de faxina. Jogavam uma porção de coisas no lixo e depois retornavam uma a uma. Não tinha jeito. A casa estava cada vez mais minúscula. Apertada mesmo.

          E assim, o casal construiu uma casa grande, ampla, onde teriam melhor qualidade de vida. Combinaram que nada levariam da casa velha. Começariam do zero como no início do casamento. Era a hora de desapegar.

          A nova casa ficou pronta. Hora da mudança. Deixar para traz tantas coisas, muitas histórias, belas recordações não era fácil. Mas a vida é feita de ciclos. É preciso saber quando uma etapa acaba e permitir que ela se encerre. Assim foram se desfazendo daquilo que era menos importante. Aquela cômoda linda do quarto presentearam a um velho amigo. Ele queria muito. Ficou feliz com o presente, e saber que ela estava em boas mãos confortava o casal. Venderam algumas coisas. Na medida das negociações o sentimento de saudade amenizava com a alegria das pessoas que se mostravam contentes com a aquisição. Pensando assim ficou mais fácil a separação.

          E chegaram na casa nova mais leves. O mais importante levaram, a amizade dos antigos vizinhos, por exemplo. Isso permaneceria para sempre.

          Essa mudança foi uma lição de vida inestimável para eles. Desapegar de bens materiais muitas vezes é necessário. Adquirir novamente outros é possível a qualquer hora e em qualquer tempo. É preciso criar espaço, desafogar. Além do que, nada que deixaram para trás lhes fez falta, e foram valiosos para aqueles que adquiriram.

          Essencial mesmo é guardar sentimentos, carinho e afeto das pessoas. Isso é de fato o que devemos conservar nas nossas vidas.

        Praticar o desapego não significa abrir mão de tudo o que é importante para nós, mas sim de se libertar do excesso que nos prende. É permitir que uma nova etapa inicie em nossa vida. O fundamental é o que levamos na alma e no coração. O resto é bagagem que pesa. Precisamos de leveza.

5 comentários sobre “DESAPEGO…

  1. Se dependesse de mim somente, nossa casa teria só o essencialmente tolerável. Uma época a casa estava intransitável e resolvemos jogar as talhas no lixo. Não demos sossego aos garis durante uma semana inteira. Atualmente temos umas gavetas que estou pensando em jogar fora com todo o que tem dentro. Dizem que meu “padim Ciço” recomendava guardar as talhas durante sete anos, se não encontradas utilidade nesse espaço de tempo que jogasse fora. Verdade, ou não, é um bom conselho, mas o pior lixo é o que guardamos no coração… Aplausos! Como sempre, uma boas leitura.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s