A 2ª Live Lítero-Musical Oeirense

live2bcr2b2    live2bl25c325adtero-musical2boeirense

live2boeiras2bcr

DIÁRIO

[A 2ª Live Lítero-Musical Oeirense]

Elmar Carvalho

03/08/2020

            Na quarta ou na quinta-feira, por WhatsApp, o amigo Carlos Rubem, dinâmico presidente da Fundação Nogueira Tapety, me noticiou que na sexta-feira, dia 24, a partir das 17 horas, seria apresentada a Live Lítero-Musical Oeirense – 2ª edição. Me pediu não a deixasse de assistir. Assim, na hora marcada fiquei de prontidão, e assisti a um belo e verdadeiro sarau, em que se intercalavam sessões de músicas e de poemas, através da plataforma You Tube. A banda Wave Instrumental se apresentou de forma esplêndida, irrepreensível.

            A live (ou sarau) foi apresentada por Carlos Rubem, postado no alto do Mirante do Morro da Cruz. É um belo lugar, de belo e sugestivo nome, de onde, em um raio de 360 graus, se contempla uma belíssima paisagem bucólica e urbana de Oeiras. Já estive nesse belvedere, como o chamou Carlos Rubem em sua empolgante e empolgada apresentação, em tempos idos, onde se passou um fato engraçado, quase anedótico, que registrei numa de minhas crônicas oeirenses. Na abertura, tive a subida honra de ter alguns versos de meu Noturno de Oeiras recitados, com entusiasmo, pelo apresentador.

            Como bem me lembrou Carlos, por WhatsApp, naquela remota ocasião eu disse que ali era um excelente lugar para realização de atividade cultural, e disse que ele bem se prestaria a ser uma espécie de anfiteatro, em que seriam colocadas, em locais estratégicos, placas com poemas sobre a bela velha capital. Carlos concordou, e disse que envidaria esforços com esse objetivo. Por motivos alheios a sua vontade, essa galeria dos poemas ainda não se concretizou, mas ele me disse que esse sonho continua vivo em seu coração, e que um dia ainda há de se tornar realidade.

            Tendo estado na velha urbe em diferentes ocasiões e tendo nela exercido minha profissão, ainda que por um curto período, por motivo de doença, pude constatar que Oeiras é mesmo uma terra diferenciada. Considerando-se uma espécie de média, ainda não medida pela estatística, nota-se que o oeirense em geral é educado, cortês, amante da cultura, das artes em geral, sobretudo da poesia e da música, além de sua acentuada e tradicional religiosidade católica, que assume por suas peculiaridades quase um caráter cultural, que enseja, sem dúvida, um turismo religioso, mormente nas grandes efemérides católicas. Certos atos solenes dessa liturgia são quase uma espécie de encenação, quase por assim dizer, sem nenhuma conotação pejorativa, um verdadeiro, sincero e reverente teatro da fé e da religiosidade.

            No sarau internético pude constatar o quanto a velha cidade é musical e poética. A escolha do repertório foi muito criteriosa, com a apresentação de músicas de diferentes épocas e estilo, mas todas de alta qualidade, em que o bom-gosto predominou. Não ouvi nenhuma dessas músicas horrorosas dos dias de hoje, em que impera a baixaria e o mau-gosto, além dos duplos sentidos debochados e mesmo escatológicos.

            Sobretudo, foram executadas lindas melodias, que fazem parte do cancioneiro da melhor bossa nova, dos sambas tradicionais e das pérolas da MPB. Foi apresentada uma linda polca, titulada Invicta, composta pelo ilustre maestro Aurélio Melo, oeirense, que além de ser uma exaltação à velhacap, também é uma rememoração do célebre episódio em que o governo federal tentou mudar o nome de Oeiras, por causa de sua homônima paraense, em cuja luta diversos intelectuais oeirense se insurgiram contra a mudança, e lutaram pela permanência do velho e histórico nome. A campanha terminou sendo vitoriosa, pelo que a antiga metrópole piauiense ficou com o epíteto de Invicta.

            Na live foram inseridos excelentes audiovisuais de poemas, em que muitos poetas declamaram textos de sua própria autoria; em que outros poemas foram recitados por outras pessoas, sobretudo, óbvio, os de poetas já falecidos, entre os quais Gerson Campos, Nogueira Tapety, Gaudêncio Carvalho e Luiz Lopes Sobrinho. Foram belos e criativos poemas, muitos da contemporaneidade, outros da tradição lírica, metrificados e rimados. Além da imagem de quem dizia o poema, foram insertas imagens da paisagem oeirense e outras, conforme o conteúdo do texto.

            Também foram exibidas, na seção denominada Eternamente Oeiras, fotografias que captaram flagrantes de figuras emblemáticas, de solenidades comemorativas de efemérides históricas e religiosas, em que apareciam os prédios históricos, os vetustos solares e sobrados, prenhes de histórias e saudade, as igrejas, e as lindas praças e jardins da velha cidade colonial, que ainda se conserva admiravelmente preservada, apesar das dentadas das intempéries, das chuvas, do vento e do tempo, e da incúria de uns poucos.

            Por fim, coroando e arrematando a excelente live ou sarau lítero-musical, houve o apoteótico encerramento, como já é uma praxe, em que foi executado o belo e vibrante Hino de Oeiras, que nos faz vibrar as cordas mais sensíveis de nosso coração, cuja letra é do escritor e poeta José Expedito Rêgo e a música do maestro Dionísio Rosa Reis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s