O ELEITOR NA PANDEMIA

thumbnail

MARIA DILMA PONTE DE BRITO
ACADEMIA PARNAIBANA DE LETRAS – APAL CADEIRA 28
PATRONO LÍVIO LOPES CASTELO BRANCO 
1 º OCUPANTE LÍVIO LOPES MACHADO CASTELO BRANCO

        Até a data das eleições de 2020 mudou por conta da pandemia, o COVID 19. Inicialmente seria 04 de outubro e o segundo turno no dia 25 de outubro. O Congresso Nacional aprovou a Emenda Constitucional alterando as datas para 15 de novembro e o segundo turno ficou para 29 de novembro. Os candidatos deverão registrar suas candidaturas até 26 de setembro.

          Nesse contexto de mudança a forma de votar também muda. O Presidente do Tribunal Superior Eleitoral – TSE, o Ministro Luís Roberto Barroso está elaborando uma cartilha para garantir a proteção contra o coronavírus, isto é, medida cautelar durante as eleições, como uso de máscara para mesários, eleitores e distanciamento social. Quanto ao uso do álcool em gel deverá ser usado só após a votação, na saída da cabine, porque o álcool danifica o aparelho de votação, “a urna”.

       A propaganda de candidatos a cargos eletivos será permitida a partir de 16 de agosto de 2020. Me pergunto: os comícios serão permitidos? Mesmo que sejam, acredito que muitos não terão a coragem de enfrentar as aglomerações. Por isso mesmo os candidatos provavelmente utilizarão outros recursos para fazer a propaganda eleitoral. como carro de som, as mensagens eletrônicas, e-mail, WhatsApp etc, em conformidade com a Lei Eleitoral.

          Se tudo está mudando, será que o perfil do eleitor também mudou? O voto consciente estará presente na eleição de 2020? O candidato ético, competente e com uma boa proposta de trabalho terá vez nessas eleições?

          O João é o tipo de eleitor que sempre trocou seu voto por benefícios ou transações ilegais. E muitos eleitores como o João existem por ai, transformando seu voto em mercadoria. Encontrei-me com um deles e acreditando que estamos em um momento novo com muitas mudanças indaguei: nessa eleição o voto não é mais vendido, ninguém compra voto de ninguém, não é? Até porque hoje os contatos pessoais são poucos e dificulta ficar pedindo favores, brindes, bens matérias e outras vantagens. Tive como resposta: que nada, agora mesmo foi que melhorou com as redes sociais. Acordamos tudo pela internet e o valor dos benefícios são depositados na conta.    

          E eu fiquei a imaginar: esse pessoal tem conta? A resposta me veio logo à mente, geralmente hoje todo mundo é correntista de um banco e para receber o auxílio emergencial dado pelo governo é preciso ter uma e quem não tinha teve que providenciar.

        Lamentavelmente a situação não mudou. 

       Em uma democracia a maior transformação é realizada por meio de voto consciente, assim diz Marcelo Figueiredo.

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s