LIVROS INESQUECÍVEIS

livros-velhos-33521043

                  Há coisas que marcam a vida da gente. Acho que poderia ter uns seis anos de idade, mas lembro como se fosse hoje de uns velhos livros encapados com papel madeira que meu saudoso pai guardava dentro de um armário de madeira que só ele tinha a chave. Acho que era trancado não exclusivamente pelo valor dos livros, mas porque era lá que ele mantinha o apurado da sua loja de tecidos para depois levar ao cofre ou ao banco.

Entre essas obras lembro bem de “Dom Casmurro” de autoria de Machado de Assis e “Ironia e Piedade” de Olavo Bilac. Minha mãe também tinha suas leituras preferidas.  “A Moreninha” ,de Joaquim Manoel de Macedo, estava sempre passeando em cima dos móveis como se ela esperasse um tempinho para continuar a leitura. Foi assim que cresci. Entre livros e pessoas que valorizavam a boa leitura.

Meu pai costuma recitar poesias. Uma delas ficou impregnada em minha mente. Principalmente  o trecho que dizia: quando somos jovens as esperanças vão conosco à frente e os desenganos vão ficando atrás, mas quando a gente avança um pouco mais na vida os desenganos vão conosco a frente e as esperanças vão conosco atrás. Era mais ou menos assim.

Toda essa recordação se deu pelo fato de que hoje eu tive que lançar mão de um trecho do livro de Olavo Bilac – Ironia e Piedade, um desses livros que fazia parte da resumida biblioteca de meu pai: “Ora falta a taça, ora falta o vinho”. Pois bem, estava com a cabeça cheia de mensagens prontas para escrever crônicas há alguns dias , mas me faltava o tempo. Hoje que estou com todo o tempo do mundo, a inspiração se foi – Ora falta a taça, ora falta o vinho.  Tive a curiosidade de pesquisar na internet a data dessa obra de Olavo Bilac e cheguei a conclusão que ela foi publicada em 1916. Daí, a curiosidade foi aguçada e eu fui pesquisar o autor do poema que fala sobre esperanças e desenganos. Não é que descobri que é de autoria do Padre Antônio Tomás, natural de Acaraú  (1868-1841) e o poema é denominado “Contrastes”.

Muitos anos se passaram, muita coisa rolou, mas as palavras  ditas e bem ditas ficam marcadas. Um dia meus filhos vão relembrar o quanto falei de Fernando Veríssimo, de Marta Medeiros, de Rubem Alves e quem sabe transcreverão algumas frases ou algumas palavras dos autores contidas nas obras que estavam, não trancados num armário, mas soltas, espalhadas nas prateleiras do meu quarto de estudo, largadas na escrivaninha de minha  pequena biblioteca, sempre disponíveis  tal qual o livro “A Moreninha” , persuadindo a  uma boa leitura.
.

RECANTO DAS LETRAS 12.04.2018
MARIA DILMA PONTE DE BRITO – APAL
PATRONO LÍVIO LOPES CASTELO BRANCO
1º OCUPANTE HUMBERTO TELES MACHADO DE SOUSA

Um comentário sobre “LIVROS INESQUECÍVEIS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s