DIVIDIDA

DIVIDA

            Dividida entre a obrigação e a devoção. Quisera eu ter o espírito menos responsável para jogar tudo para o alto e fazer o que eu quero, na hora que quero no momento que quero. Tem certa idade na vida da gente que não dá mais para adiar. Em parte, eu entendo isso e sou imediatista. Quantas vezes comprei um sapato e já saio da sapataria calçada com ele colocando o velho na caixa do novo? Quantas vezes comprei uma roupa nova e vesti num dia comum, sem esperar uma data especial para inaugurar? Quantas vezes viajei imprensando um dia de trabalho para aproveitar uma oportunidade sem aguardar as férias chegar?

            Mas, nem sempre é assim. Tem coisas que a gente tem que esperar, tem que aguardar, não pode deixar a vontade, o querer vencer. Nesse instante mesmo estou dividida. Dividia entre digitar trabalho e brincar de escrever que mais me dá prazer. Dividida entre o sono, o trabalho e o escrever. Um vai vencendo o outro. Embora tenha começado pelo trabalho que é a prioridade, já me vi escrevendo, enquanto os olhos quase fecham e a cama me provoca para um sonho de rainha.

            E a gente se dividi entre filhos, entre amigos, entre as coisas da vida. Pensando bem, melhor dividir do que se ter por inteira, trancada no nosso próprio egoísmo sem  repartir o amor, o tempo e nossos sonhos. A vida é assim, exige de cada um, doação, sacrifício. Quanto mais você dividi, mas amigos você tem, mais amada você é, mais respeito terão por você.  Outros também repartirão a seu favor. Acho que é por isso que temos duas mãos para podermos paralelamente apertar duas mãos amigas, é por isso nós mulheres temos dois seios para amamentarmos gêmeos ou dois bebês irmãos de leite. E até o tempo se divide em dias de sol e dias de chuva para agradar a uns e a outros. Uns gostam de inverno outros da primavera. Sábia natureza satisfaz a todos.

            Não dá mais para dividir meu sono com vocês. Para mim valeu a pena escrever tudo isso aqui. Se está bom eu não sei. Sou suspeita para avaliar, mas divido com você caro leitor está singela inspiração.

DO LIVRO “O QUINTO” INÉDITO
MARIA DILMA PONTE DE BRITO
CADEIRA 28 DA APAL
PATRONO LÍVIO LOPES CASTELO BRANCO
1ºOCUPANTE HUMBERTO TELES MACHADO DE SOUSA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s