POEMITOS DA PARNAÍBA

POEMITOS DA PARNAÍBA

Texto: Elmar Carvalho

Charges: Gervásio Castro

HOSANA

  1. Hosana

 

Hosana nas alturas!

Hosana nas alturas

de sua vida sofrida

de pobre e alienada.

Interventora dos gabinetes

(cediam-lhe os pequenos tronos

de burocratas para rirem

o riso fácil e gratuito).

Cobradora de impostos e taxas

(davam-lhe ínfima moeda em

troca do riso rasgado).

Andava sempre com sua

roupa branca de marinheiro –

primeira e única almirante:

alma mirante

alma errante

alma navegante.

Sempre de

branco como as nuvens

que alvejavam em sua

cabeça de nefelibata.

BOA IDÉIA

  1. Boa Idéia

 

Um dia

ou melhor uma noite

Boa Idéia teve a idéia

de construir um telescópio

para sonhar/sondar aqueles pontinhos

cheios de pontinhas chamados estrelas.

Galileu Galilei da Parnaíba

construiu sua luneta

desvendou estrelas e planetas e cometas

e perscrutou os umbrais do infinito.

Autodidata da astronomia

com seu telescópio passeava

pelos “mares” da lua

dizendo coisa com coisa

que ninguém sabia.

Brincava de bambolê

com os anéis de Saturno.

Jogou bola de gude

com as luas de Júpiter.

Morfeu o levou para ser

centurião de galáxias. Mas

voltará não num rabo de foguete

mas na caudabundante flamejante –

mente reluzente do cometa de Halley.

RODRIGÃO 

  1.         Rodrigão

 

Que dizer do Rodrigão?

Que ele era um novo Atlas

a sustentar em suas costas

a esfera azul do sonho?

Não. Era um atlas de carne e osso

porque sua cara vista de perfil

era um mapa da América do Sul.

MARIA DAS CABRAS

  1. Maria das Cabras

 

Passava com seu passo leve

– quase voo de pássaro –

com a suave elegância

de uma cabra montês.

Rápida cortava as

avenidas e as praças

até que a molecada gritava:

– Maria das Cabras!…

Maria subia a saia:

– Taqui o chifre da cabra!…

Os moleques com as cabeças

cheias de idéias e fantasias

em suas alcovas ou banheiros

se escondiam: Maria das Cabras

surgia como uma fada encantada

entre véus diáfanos que se

es~~~~~gar~~~~~ça~~~~~~vam.

MARECHAL

  1. Marechal

 

Maluco, se dizia alta

autoridade do planalto.

Ficava fulo da vida quando

chamado de soldado ou de

Madame de Chaval.

Não andava: marchava

de farda e botas.

Davam-lhe plaquetas e selos

e pequenas chapas de metal:

eram as condecorações e os

distintivos com os quais desfilava

entre continências de

risos e zombarias.

JOÃO ORLANDO

  1.         João Orlando

 

Surdo, surdo como um surdo,

aprendeu com Bilac a ouvir estrelas.

E as ouvia nas lindas noites estreladas

de Parnaíba.

Em sua surdez de pau

ouvia o bater dos corações das pedras.

Ouvia o bang-bang dos colts

em suas leituras de faroeste.

Com sua morte silente

aprendeu a ouvir o silêncio

absoluto da morte.

PACAMÃO

  1. Pacamão

 

– Eu sou um monumento

anatômico e biotônico

onde a lenda se mistura com a realidade;

onde o homem se confunde com o mito.

E neste instante, sinto-me

forte como um elefante!

– Cadê a tromba? – perguntou um gaiato.

– Está aqui – retrucou Paca/mão na braguilha.

Pacamão: pacamônicos folclores

de ditos repetidos pela boca

do povo – arma de repetição

deflagrando gargalhadas.

EXPEDITO MACIEL

  1. Expedito Maciel

 

Enchia galões de gasolina

até a borda de cerveja

para beber e banhar.

Comprava defuntos frescos

para fazer o enterro.

O caixão seguia de carroça,

enquanto a banda tocava

por entre goles de aguardente.

Acendia charutos cubanos

com cédulas de cinco mil réis.

Dirigia carro importado dos EUA

vestido com roupa de estopa

de saco de açúcar.

Expedito Maciel,

Howard Hughes da Parnaíba,

milionário e excêntrico,

perdulário e esquizofrênico,

filho pródigo de si mesmo.

LUSE

  1. Luse

 

Sua saia rodada

sua saia rodando

era uma festa de

cores e folhas e flores

nas festas de que gostava.

Das pontas estelares de seus dedos

saltavam saltitantes valsas

pelos tec-tec teclados do piano.

Hoje ela estendeu um arame

nas pontas da lua nova,

colocou uma estrela e toc-toc

toca berimbau.

MÁRIO REIS

  1.  Mário Reis

 

Vulgo Mário Bola, tinha

a graça de um tatu bola.

Orfeu de novos carnavais

carregava o encantamento

dos sopros (marítimos) que

transformava em música em

sua gaita – caixa de mágico som.

Entre a música e a fofoca

uma piada de recheio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s