SHORT STORIES

Ano passado publiquei  aqui neste blog a história do roubo de um judas que fora escondido na casa de uma família de árabes que residia em Tutóia. Neste ano, por conta dessa tal pandemia não tive nenhuma inspiração, ou melhor, não veio-me à memória qualquer fato que pudesse ser narrado. Sendo assim, vou reproduzir o mesmo causo do ano passado:

ROUBANDO O JUDAS NA CASA DOS CARCAMANOS
– aqui ninguém precisa de esmola somos ricos/ – Acoorrrda  q’uistão  nos rrruuubaaanndo!

            Anos 1960. Semana Santa em Tutóia cidade do litoral maranhense.  Nessa época os chamados dias grandes eram guardados com todo respeito. Era pecado tomar-se banho na Sexta-Feira da Paixão,  ou receber dinheiro pela comercialização de algum produto.
            Diziam que o Expedito Gonçalves, um cabo da Marinha que serviu na Capitania dos Portos em Tutóia, ficara com o corpo cheio de cabelos porque tinha tomado banho numa Sexta-Feira  Santa. Na nossa infância conhecemos o  Mola Deu, um mendigo que tinha dificuldade em pronunciar a expressão uma esmola pelo amor de Deus. Também comentavam  que a causa disso é  porque cometera  uma atrocidade durante a Semana Santa.  Tudo mito!
Mas mito ou verdade, tinha-se grande respeito pelos dias santificados. Música? Som alto? Nem pensar. As rádios transmitiam apenas músicas clássicas ou religiosas.  E somente  orquestradas.
             A fartura imperava! A troca de bolos, de jejuns, muitas vezes chamadas de esmolas,  entre pessoas amigas,  era uma tradição.
                    Dona Zila Galas, minha mãe adotiva, fazia bolos como ninguém! Seus bolos eram bastante apreciados e por isso, nessa época, muita gente levava jejuns para nossa casa  com objetivo de receberem os saborosos bolos que ela fazia. Deu que, certa vez, durante esse período de Semana Santa,  bateram palmas no portão e eu fui atender.  Eu deveria ter entre nove e dez anos de idade. Encontro duas crianças mais velhas que eu, segurando uma bandeja de alumínio contendo cinco espigas de milho (descascadas) e um mói (*) de feijão verde. Ao me verem  disseram: – viemos aqui deixar essa esmola que a mamãe mandou. Eu prontamente respondi: – aqui ninguém precisa de esmola não, nós somos ricos!  Quanta ingenuidade! Quanta inocência na cabeça de uma criança!
               As crianças, meio encabuladas  já iam dando meia-volta quando dona Zila apareceu e contornou a situação. Mas de uma coisa eu tinha certeza: podia preparar as costas para as chibatadas no Sábado. Iria “romper a aleluia” para  aprender a ter humildade diante das pessoas.
              Mas a expectativa de toda a criançada e também de muitos adultos era  o Domingo da Ressurreição,   com a malhação e queima do Judas.
               O Judas era confeccionado na sexta-feira ou no sábado,  e escondido em algum lugar para que não fosse roubado,  e até porque,  tinha o desafio da procura no dia seguinte com mérito para quem o encontrasse.
Nesse dia os irmãos Reubem e Tufy filhos do Nagib, com a ajuda do primo  Maurício ( o conhecido braço de radiola) filho do Fuad, confeccionaram o Judas e resolveram esconde-lo na alcova  do casal Marta e Felipe Zeidan que o povo chamava de carcamanos.
                A família Zeidan veio da Siria, um dos dezenove países que hoje formam o Mundo Árabe.
               Trabalhadores,  os Zeidans prosperaram em Tutóia,  construíram uma grande prole e pelos seus méritos,  fazem parte da história do município.  Eram conhecidos como os carcamanos, todavia, é errado se dizer que os árabes,  quer sejam   sírios,  libaneses, ou de qualquer  outro país desse bloco sejam  carcamanos,  tendo em vista que esta expressão surgiu em São Paulo com a chegada os italianos que foram  os primeiros imigrantes a chegar naquele estado.
                  Mas voltando ao Judas escondido na casa  do casal Marta e Felipe Zeidan, vazou a informação e alguém da minha turma, não lembro quem, foi roubar o tal Judas. Sorrateiramente entrou no quarto, apoderou-se do dito cujo colocando-o sobre o ombro e rumou para dar o fora da casa. Na saída, por causa do escuro do quarto (energia elétrica só até as 22 horas e quando tinha!) e da pressa, o pseudo ladrão  tropeçou num  pinico esmaltado provocando um barulho infernal. Apressado em  deixar o quarto, e talvez  pelo mais  puro azar,  esbarrou na rede de dona Marta acordando a distinta senhora.  Foi quando se  ouviu  num português arrastado e bem alto a seguinte frase:
 – Acoorrrda Feliiipa q’uistão  nos rrruuubaaanndo!
Aí não teve jeito: jogou o Judas no chão e pernas pra que te quero!
(*) Mói é uma contração utilizada no nordeste  para “molho”, significando uma certa quantidade.
Texto: Antonio Gallas
Ilustração: Foto da WEB modificada pelo  aplicativo “Pencil Sketch (play store).
Do livro “Short Stories”  a ser publicado.
ANTONIO GALLAS PIMENTEL 
Cadeira 35 da APAL
Patrono:Dom Paulo Hipólito de Sousa Libório 
1º  Ocupante: Rubem da Páscoa Freitas

2 comentários sobre “SHORT STORIES

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s