É bizarro

gorda

            Tem um velho ditado popular que diz assim: “morro e não vejo tudo”.  Pois é, a gente fica pasma com certas coisas que acontecem no dia-a-dia, que a gente nunca imagina que pudesse acontecer.

            Um dia desses fui abordado por um simpático senhor que conhecia o estilo de minhas crônicas e pediu licença para me contar uma história. Disse que estava me dando de presente um texto para que eu publicasse como de minha autoria. Esqueci de perguntar  se o caso foi verídico ou imaginação criadora dele. O certo é que gostei e repasso para meu estimado público.

            Começa com uma linda história de amor entre um casal muito apaixonado. Ela tinha o corpo escultural e isso só fazia seu parceiro ficar mais enamorado. Ele era um escultor. Sabia apreciar as formas, valorizava as linhas, os ângulos o que favorecia valorizar as belas curvas da sua amada, mais que qualquer um leigo.

            E assim se passaram alguns anos, comeram alguns quilos de sal juntos e ela foi engordando, perdendo traços, ele já não mais encontrava cordas no seu violão, aliás, não havia mais instrumento musical. Havia sim, um bujão de gás, um saco de batata.

            O amante, o artista, o apaixonado, o parceiro, o escultor, passou a se preocupar com a esposa e começou a investir em sua recuperação corporal. Pagava academia, contratou personal trainer , massagista, nutricionista, mas ninguém dava vencimento ao apetite da mulher que comia, comia,comia e engordava, engordava, engordava.

            O marido já sentia o fracasso do casamento. Lutava incessantemente para conserva – lo. Mas, a imagem daquela mulher que não era mais a esposa que contrai núpcias tornava o casamento frio, gelado, sem atração.

            Foi o jeito tomar uma atitude esdrúxula, mas bem intencionada, salvar o casamento.  Chamou duas pessoas de sua confiança e simulou um sequestro. Encenou bem o seu papel. Chorava preocupado com a esposa. Não saía do pé do telefone aguardando o contato dos sequestradores. Inventava que recebia mensagens dizendo que breve anunciariam o valor do resgate.

            Enquanto isso, a vítima no cativeiro era tratada muito bem. Com água e comida light. Todo o conforto necessário. Se não fosse a saudada da família e da mesa farta, aquilo era um céu.

            Certo dia os homens de confiança chegaram para o patrão e anunciaram.

            – Ela está no ponto. Magrinha, magrinha.

            – Traz a madame ordenou.

            Comunicou a todos que os contatos foram feitos e ele iria pagar o resgate. Simulou tudo direitinho e sua amada esposa foi libertada. Sua chegada foi com uma festa. Ela estava linda. Do jeito de quando eles se conheceram. Corpo escultural. Um violão. E ele dedilhava com muito prazer nas cordas de sua linda amante. Amaram fervorosamente. Tiveram uma nova lua de mel. O amor renasceu.

            Mas, esse quadro não durou muito. Para começar na festa de comemoração de sua saída do cativeiro tinha de tudo. E ela faminta experimentou de todas as delícias. Não conseguia conter sua gulodice e o saco que estava vazio começou a encher.  E foi crescendo, crescendo. Antes que ela chegasse ao extremo o marido advertiu. Faça regime, volte para academia, faça caminhada, procure a nutricionista. Mas, nada disso dava vencimento comparado a quantidade de alimento que ela digeria.

            E tudo começou outra vez. Ele não tinha mais tesão.  Na tentativa de salvar mais uma vez seu casamento insistia diariamente para que a sua amada se cuidasse. Por conta disso muitos atritos aconteciam entre eles e num belo dia a coisa pegou fogo. No auge da discussão sem querer ele deixou escapulir: só mandando lhe sequestrar de novo para você emagrecer.

            – O que? Então o sequestro foi uma farsa? Ele tentou explicar a boa intenção da coisa, mas ela estava indignada com o fato. Discutiram, brigaram muito. E eu fico a matutar. Será que ela perdoou o marido e prometeu emagrecer?  Ou quem sabe, ele tenha aceitado ela gorda. Fico até fantasiando e imaginando que tudo terminou num longo beijo Eles se amavam tanto.

            O fato é que, o resto desse romance só sabe Deus.

Inédita/2012
Do livro “O Quinto” a ser publicado
Maria Dilma Ponte de Brito
Ocupante da Cadeira 28 
Patrono Lívio Lopes Castelo Branco
1ºOcupante Humberto Teles Machado de Sousa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s