Agenda furada

agenda2bfurada

Agenda furada

Carlos Rubem
Promotor de Justiça, cronista e articulista

Em julho de 1999, já por conta das comemorações dos 500 anos do Brasil, empreendi viagem de lazer, por 07 dias, com a minha família, a Porto Seguro, local em que a esquadra cabralina “descobriu” este país tropical.

Antes, estivemos em Salvador. Certo dia, através de uma agência especializada, fomos fazer um passeio pela cidade, numa Van, juntamente com outros turistas.

Em determinado momento, o motorista estacou o carro enquanto o guia prestava informações acerca da capital baiana. Apontou para uma casa dizendo que ali havia nascido o Visconde de Cairu, aquele que articulou a abertura dos portos brasileiros às nações amigas de Portugal, que resultou a Carta Régia de 24 de janeiro de 1808.

Nesta hora, o meu filho Gérson Oeirense Lopes Reis, de 08 anos, à época, tomou a palavra, se apresentou, disse de onde era e acrescentou que em sua cidade havia a Casa do Visconde da Parnaíba, a Casa da Pólvora, arrancando estrepitosa gargalhada dos presentes!…

Como acontece habitualmente, o Ministério Público Estadual mandou confeccionar uma vistosa agenda, constando fotografias de diversos pontos turísticos do Piauí, para distribuir entre seus membros, servidores e estagiários.

Qual a minha surpresa, referente ao mês de fevereiro do fluente ano, está estampada uma imagem do Solar das 12 Janelas, edificação colonial, com a seguinte legenda: “Casa do Visconde da Parnaíba – Oeiras (PI)”. Claro que fiquei desapontado com este flagrante equívoco.

Tomei conhecimento deste fato, hoje (18.02.2020), na sede local do MP/PI. Quando comentava sobre este assunto com a simpática Tatiana Ximenes, Assessora Ministerial da 2ª Promotoria de Justiça, da qual fui titular, esta me indagou se era verdade que um dos proprietários daquele Solar houve 12 filhas e que, cada uma ficava, nas janelas, observando o tempo passar.

Expliquei-lhe que seu relato se trata de uma fantasia já arraigada na crença coletiva. Tudo ocorreu a partir da força artística do monumental poema “Noturno de Oeiras”, da lavra do Elmar Carvalho, natural de Campo Maior, membro da Academia Piauiense de Letras – APL, cujo fragmento transcrevo abaixo:

“Da casa de doze janelas

doze donzelas me espiam com olhares

que são setas de de medo que

assustam e extasiam”.

As lendas sempre embalaram os povos ao longo do tempo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s